terça-feira, abril 26, 2011

ANO V - NUMERO 219





Edição Especial Gre-Nal 385






APOCALIPSE NOW







"I love the smell of Napalm in the morning. You know, one time we had a hill bombed, for 12 hours. When it was all over, I walked up. We didn't find one of 'em, not one stinkin' dink body. The smell, you know that gasoline smell, the whole hill. Smelled like victory."

"You can either surf, or you can fight!"

"If I say its safe to surf this beach, Captain, then its safe to surf this beach! I mean, I'm not afraid to surf this place, I'll surf this whole fucking place!"





As frases acima são do mesmo personagem do filme que empresta o título a esta coluna, tenente-coronel Kilgore, interpretado por Robert Duvall. Por que coloquei as aí? Consigo pensar nalgumas razões:

a) sempre quis uma oportunidade de usar essas frases nalgum lugar;
b) o cenário iminente do Grêmio é apocalíptico;
c) o estilo malandro-carioca-de-beira-de-praia-metido-a-surfista que o Renato encravou nesse time me vem tirando a paciência (ontem, os "malandros" levaram aula de malandragem);
d) Santiago fica à beira do Pacífico;
e) chegou a hora de decidir se nós vamos surfar ou lutar pela classificação na partida de volta;
f) se é possível ir a Apoquindo e jogar como se estivesse em casa, e não sob fogo cerrado do inimigo, não interessa -nós é que decidimos se a praia é segura;
g) quando não se tem mais o que fazer, a solução é tacar Napalm em cima e não deixar nada sobrando -todo o recomeço tem cheiro (e esperança) de vitória; e, por fim,
h) porque isso é CAVALARIA!










CAAARGAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!

O Sanchotene enlouqueceu? Nãã... É que é melhor nem falar de futebol. Já tenho minhas dúvidas se o treinador na partida de volta na quarta-feira que vem será mesmo o Renato. No domingo, tem um jogo de derrubar treinador; e há um período ainda razoável para que um novo inicie o Brasileiro ambientado no clube. Se concordo ou não com isso, é outro problema, mas é sempre bom lembrar que o Odone é chegado a tomar esse tipo de decisão em momentos semelhantes.

Por todas essas razões, só nos resta, mesmo, partir para cima. Se sobrar para o vizinho, tanto melhor!

Saudações imortais,
Asp Of R/2 TELLECHEA, turma de 1999 do curso de Cavalaria do CPOR/PA - sancho.brasil@gmail.com









QUE VENHA O CLÁSSICO!





Não há como adiar o desejo. Estamos novamente em semana gNAL. E aqui neste espaço nada é mais desejado do que um bom clássico gNAL. Aqui nós gostamos, acima de tudo, de uma boa peleia e de um confronto direto com a vizinhança. Não há nada melhor do que um domingo de clássico. Sim, antes há a semana de confrontos pelas oitavas de final da Libertadores. A turma da azenha, aliás, acabou de levar 2x1 da U Católica do Chile. Quinta-feira enfrentaremos o Peñarol em Montevideo. Uma parada duríssima. Mas, em semana de clássico gNAL, não há como negar, até mesmo a Libertadores fica em segundo plano. Ainda mais quando o clássico decide o título do Campeonato Gaúcho. Aí os contornos, os ânimos e as rivalidades se exacerbam. E aqui no lado vermelho a conquista do certame local sempre, eu disse sempre!, foi tratada como Copa do Mundo. Portanto, Coloradagem, domingo é dia de cumprir dever. É dia de pegar a bandeira, os panos, a camisa vermelha, a almofada de 79, o velho casaco de guerra para lidar com os ventos do Beira-Rio. É dia de levar o coloradismo pela Porto Alegre, porque tem decisão no Gigante!





ESCALA MONTEVIDEO I





Olha aqui ô, o duelo contra o Peñarol vai ser peleia das mais duras que enfretaremos não só nessa edição da Copa Libertadores. Lembram dos confrontos contra o Nacional em 2006 ? Pois é, foi suado, com aquele gol antológico do Renteria. Pois é; o confronto contra o Peñarol será mais complicado, com certeza. Os "carboneros" estão de volta à Libertadores depois de quase uma década de ausência. E superaram um grupo bem complicado na primeira fase, superando os argentinos Independiente de Avellaneda e o Godoy Cruz (num grupo vencido pela LDU de Quito). O time uruguaio alia muita força e imposição física, além de alguns nomes de boa técnica como é o caso do arqueiro Carini, do meia J. Urretviscaya e do atacante Estoyanoff, além dos experientes D. Rodriguez e Pacheco. Em tempo: são esperados 50 mil carboneros no Centenário. Uma coisa é certa; será um jogo histórico!





ESCALA MONTEVIDEO II





Andrezinho foi definido para iniciar a partida. E, com a volta de D'Alessandro, Oscar terá de aguardar oportunidade. Ele que foi o melhor jogador em campo em Caxias do Sul. Imagino as dificuldades e ponderações feitas por Falcão para tomar tal decisão; e concordo com o Bola Bola. Andrezinho teve ótimo desempenho nas 3 partidas e criou uma opção eficaz pelo corredor direito. Penso que com o tempo Oscar ganhará a posição, mas, agora, Andrezinho se faz merecedor da titularidade, como apontou Falcão na entrevista coletiva, ao afirmar que "no momento ele é titular; o mérito é todo dele" (grifei). Em tempo: Falcão testou Oscar ao lado de Damião no ataque, no lugar de Sóbis. Cheguei a pensar nessa possibilidade, mas na hora de "mata-mata" não se pode abrir mão de um jogador com a estrela de Sóbis.





AGUARDO RETRATAÇÕES





A vitória de domingo em Caxias do Sul produziu num único lance duas situações que exigem pronta e urgente retratação por parte de uma gama de "'doutos" do futebol pampeano. A "lambreta" que o Damião aplicou no zagueiro caxiense, deixando-o com uma lordose para o resto da vida, escancarou a técnica apurada e rara de nosso centroavante, a exigir retratação (pronta e urgente, repito) daqueles que o taxavam de tosco. E depois o lance de dinamismo, garra, força, colocação perfeita de P. C. Tinga, coroou uma exibição que pode ser denominada de "cala a boca corneteiros". Desde que Tinga ingressou em campo, a impressão foi de que o INTERNACIONAL estava com um jogador a mais e não com um a menos. Tinga calou a boca dos "doutos" do futebol pampeano que o taxaram de ex-jogador. De minha parte, sigo no aguardo de que tais "doutos" se retratem, com urgência e prontidão, em seus espaços na grande mídia pampeana.





ESTILO FALCÃO I





Falcão definiu o time cedo e sem mistérios. Que coisa boa! Não é só do ponto de vista tático e no estilo de armar o time que Falcão se diferencia dos demais treinadores. Não é necessário mau humor, mistérios, burocracias e invenções para se fazer respeitado. Quem conhece não precisa se esconder atrás de subterfúgios. Basta conhecer e compartilhar tal conhecimento. É assim que Falcão se faz respeitar, para a sorte e regozijo dos Colorados.





ESTILO FALCÃO II





A coletiva de Falcão foi de enlouquecer os retranqueiros e burocratas do futebol. Primeiro afirmou que time grande e com ambição deve jogar da mesma forma em casa e fora de seus domínios. Depois disse que o sistema defensivo não é formado só pelos 4 atletas que atuam lá atrás. Deixou claro que escala o time sem qualquer tipo de preconceito e que ganha lugar no time quem apresenta rendimento tático e técnico. E terminou afirmando que idade não importa e que quando vê qualidades no jogador coloca para jogar. Foi uma entrevista de enlouquecer os retranqueiros e conservadores com os quais estamos tão acostumados aqui no futebol pampeano.







MANGUITA FENÔMENO




26 de abril é o Dia Mundial do Goleiro. Justa homenagem a Ailton Correa Arruda, mais conhecito por Manga e, para nosotros Colorados, MANGUITA FENÔMENO. Manguita foi um arqueiro fantástico e, fora de campo, protagonizou histórias não menos espetaculares. Confira alguma delas na homenagem feita pelo jornalista C. Unzelte (clique aqui).




REFORMA DO BEIRA-RIO





Comissão de obras já realizou 6 reuniões e divulgou comunicados referentes a cada uma delas. Os detalhes mais interessantes são a manifestação de 12 empresas interessadas e a definição do próximo dia 4 de maio como data limitem para recebimento de propostas. No mais, tudo que consta dos comunicados é bastante genérico e abstrato. Continua com intuição (nada agradável) de que tudo é jogo de cartas marcadas e que teremos a A. Gutierrez beneficiada por todo esse procedimento. Espero estar equivocado.





RÁPIDAS





Juan Guiñazu, pai do Guina, contou à imprensa a origem do apelido do jogador. Havia uma tia que o chamava de Cholo quando criança, ainda engatinhando. Ele comia tijolo e ficava todo laranja, explicou o seu Juan.





Guiñazu, além de grande jogador, é uma figuraça!





O sempre atento e bem informado amigo e leitor J. Krug sugere leitura interessante. A. Perin comenta a negociação dos direitos de TV do futebol italiano. Nossa conclusão fecha com a do Perin e a do Josué.





Semana de boataria desenfreada na internet. Alguns "doutos" da imprensa pampeana embarcaram na boataria e noticiaram como certo o retorno de Oscar ao São Paulo. "Deram com os burros n'água". Confira as verdades sobre o Caso Oscar (clique aqui).





R. Moledo e R. Goulart foram inscritos para finais da Libertadores. Substituem Sorondo, lesionado, e Alecsandro, vendido.





Direção resolveu não utilizar a terceira vaga de substituição e guardá-la para necessidades futuras.





“Não muda nada. Na época que nós jogávamos a Libertadores, as coisas eram um pouquinho mais complicadas. Hoje não. Hoje tem mais segurança para todo mundo. O ambiente não entra dentro de campo. Este é um time de tradição, então neste aspecto é que temos que nos preocupar. Mas não com o ambiente.” (P. R. Falcão, a respeito do clima par ao jogo do Centenário)





Um banco de reservas com Lauro, Indio, Oscar, Tinga, Cavenaghi, entre outros. Que técnico não gostaria de pilotar um time desses ?





Defesa sofreu um golo (e de bola parada) nos 3 primeiros jogos de Falcão.





E tem gente que gosta de volantes empilhados na meia cancha e que sustenta a necessidade de brucutus para se ter uma defesa eficaz





Tem gente que gosta de 3 zagueiros...





Olha aqui ô, tem gosto para tudo nesse mundo.





Mas, como já dizia meu avô, a melhor defesa sempre foi o ataque.





"Somos un equipo de fuerza. Ellos hablaron de que nos pasarían por encima, pero respondimos como corresponde". É o DNA arrogante, mais uma vez, servindo de combustível aos adversários da vizinhança. Essa novela nós conhecemos muito bem.





Noite de prato na azenha. Bah!





Começou a cair a casinha. A massa do padeiro desandou...





Renan; Nei, Bolívar, Rodrigo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho e D’Alessandro; Rafael Sobis e Leandro Damião





Que venha o Peñarol... E que venha o time do vizinho.





Porque aqui nós gostamos e de peleia complicada!!!





E VAMOS ARRIBA!

Saudações rubras, do CAMPEÃO DE TUDO, DONO DA ALDEIA (39*) e SEMPRE NA PRIMEIRA DIVISÃO.





Luiz Portinho - mais de 700 jogos no Gigante da Beira Rio










7 comentários:

Luiz Portinho disse...

excelente coluna Sancho, magnífica. algumas questões:
1) em tempos de projeto para banir o inglês, tu vens redigir uma coluna no verbo anglo-saxão ? (enlouqueceu de vez mesmo ?)
2) tu não tem medo da reação da pijamada-raivosa-fã-incondicinal-do-padeiro à tua coluna ?
3) tu nao acha que o DNA arrogante atrapalhou vcs. de novo ?
4) o padeiro náo é surfista, ele é fut-volei-ista...
5) quando é que a grande mídia, e a pijamada, reconhecerão a baixíssima qualidade deste time tricolor ?

Jo disse...

o gremio não perdeu ontem! Tem perdido há 10 anos porque privilegia a imortalidade à profissionalização e o respeito ao adversário. privilegia a centralização mágica na figura emblemática de seu treinador (que é muito mais um motivador que qualquer outra coisa) do que o planejamento criterioso de uma equipe com conceitos claros sobre futebol. Soma-se a isto um presidente deputado que faz bico no Olímpico ( ou faz bico na assembléia? ou o que é pior nos 2…) , um diretor de futebol sem pulso que primeiro escuta o Renato e depois emite uma opinião independente(sic…)! No futebol atual não existe mágica e sim conceitos claros de futebol em equipe , fundamentados em organização de um plantel com planejamento tático e estratégico para as competições que disputa . Cada vez mais o gremio se afunda na falta de títulos e em suas concepções metafísicas tão ao gosto da imprensa azulada da rbs.

DJ Aldebaran disse...

Esse Jo não pode ser o Josué Krug, né? Pq seria a primeira vez que eu vejo ele escrevendo coisas sensatas.

O pior de tudo é ser da base de sustentação de apoio a uma direção que não está se ajudando. A corneta tá aqui, e tá tocando.

E o que mais me apavora não é que o time do Renato tá fazendo água e que o "padeiro" (by Portinho) virou o fio faz tempo. Penso é que Celso Roth está no mercado e existe histórico de contratação dele tanto pelo Odone quanto pelo Vicente.

Corram para as montanhas!

Francinei Bentes disse...

Pelo amor de Deus, ROTH não...

Nem com muita mágica e imortalidade viramos esse jogo lá no Chile... Vou ter que dar o braço a torcer e concordar com o Porto (ehhehehe)... esse time ARDE de ruim, é muito fraco... tem gente ali que não merece vestir nem a tricolor do Grêmio JACIARA, que dirá a original...

A diretoria deveria mandar todas essas nabas embora, investir nas categorias de base, assumir que o Grêmio atual não consegue ganhar nada além de estadual e montar um time para o médio e longo prazo... quem sabe assim, daqui há uns dois anos, se pelo menos não ganhar nada, o clube estará economizando uns trocados...

Luiz Portinho disse...

1)olha aqui ô, futebol é resultado mesmo... até a derrota para os chilenos não havia manifestação de tricolinos criticando a qualidade técnica do time (o Aldeba, p. ex., sustentava, há longa data, que só faltava um "5" de ofício - é dizer: achava o time razoável)...

2) noticias do dia dão conta que mandaram embora o Casalberto. confere ? procede ? a proceder seria uma lástima... jajajaja.

3) torcedor COLORADO faz barulho no Centenário... será um jogaço de bola (não tanto pela técnica, mas porque os 2 times são pegadores)... acho que será dífícil voltar de Montevideo com vitória e até mesmo empate, mas confio nos 180 minutos.

Paulo Roberto disse...

Porto,

Pega as colunas gremistas desde o começo da temporada, e repara que o time tomou muito mais porrada que elogio.

O resultado de terça foi duro, mas nenhuma surpresa.

Abraço.

Paulo Roberto disse...

Aliás, a coluna da semana passada foi muito mais dura com "padeiro" que a desta, Porto.