terça-feira, fevereiro 27, 2007

Ano I, Número 7

Esta semana, Portinho esteve no Hotel em que se hospedou o Cúcuta Deportivo, passando importantes informações sobre o Grêmio ao adversário. Ele fez um extenso estudo sobre a equipe tricolor no jogo contra o São José de Cachoeira... [Nota da Redação: E parece que funcionou!]

Na quarta-feira, o troco. O Sanchotene reunir-se-á com o pessoal do Emelec para explicar como parar Alex, Fernandão, Alexandre e cia... Ele, inclusive, recebeu importantes dicas de Frank Rijkaard! [Nota da Redação: O que explica plenamente a vulnerabilidade a contra-ataques da defesa equatoriana]

Porto Alegre é só Libertadores!


APAGÃO NA AZENHA

Foi vergonhoso o que se viu em Porto Alegre. O mundo inteiro atento para um jogo da mais alta competição sudamericana e o que acontece ? A praça de jogo não tem as mínimas condições de sediá-lo. Mais de uma hora e meia sem iluminação! Inédito, pitoresco, inusitado, vexatório. Não há adjetivos para definir a mancha que acompanhará a Capital gaúcha pelo resto desta temporada.

PLANEJAMENTO
Os resultados até agora não foram bons. É nítido que a equipe ainda não está com o ritmo de jogo necessário para enfrentar a dura campanha do bicampeonato. Mas planejamento serve para isso mesmo. Penso que os tropeços do início da temporada, se bem administrados, não impedirão a conquista dos títulos.

RITMO DE JOGO
As atuações do Internacional, até agora, têm sido comprometidas pela nítida falta de ritmo de jogo. Penso que, agora, a partir da partida contra o Emelec, teremos condições de avaliar, realmente, até aonde poderemos chegar. E, não tenho dúvidas, a conclusão será positiva. Sem os desfalques e com a equipe ideal na ponta dos cascos, somos candidatos ao bicampeonato.

DOR DE COTOVELO
Na semana passada espanquei qualquer dúvida a respeito da dor de cotovelo que esse pessoal aí da vizinhança acumulou com nossas conquistas do ano passado. O foguetório que se ouviu após a derrota do Colorado para o Nacional de Montevideo foi a prova cabal disso. O que me surpreendeu foi o arsenal de fogos que os invejosos da azenha armazenaram; nem natal e nem festas de ano novo foram capazes de esvaziar a dispensa.

DOR DE COTOVELO II
E olha que vou lhes dizer, tendo em vista os anos de draga deles, incluindo rebaixamentos para SEGUNDA DIVISÃO, tão cedo não se livrarão dos foguetes armazenados. O certo é que a queima de fogos, para mim ao menos, trouxe um prazer descomunal, a certeza de quão relevantes foram nossas conquistas. Após a derrota para o Nacional, para minha surpresa, deitei no colchão e dormi sorrindo ao som do foguetório.

RÁPIDAS
Mossoró e Léo serão emprestados ao Figueirense;

Enquanto isso, Pinga segue figurando na equipe e Adriano Gabiru virou uma espécie de instituição intocável; mais, o ilustre desconhecido Jean já começa a ingressar na equipe. Há que ter muita paciência com as "bruxarias" dos técnicos de futebol!

Não tenho dúvidas, Élder Granja é daqueles jogadores que enquanto não forem negociados, e estiver muito longe do Beira-Rio, seguirá atuando regularmente. Sua atuação em Montevideo foi constrangedora - uma afronta ao torcedor Colorado. O Internacional precisa negociar este jogador!

O que mais estranhei na escalação da equipe para o jogo de Montevideo foi Ediglê atuando pelo lado direito da zaga (ele sempre se saiu bem atuando na quarta zaga). Por que Abel não utilizou Wilson na zaga central (minha preferência seria João Guilherme, mas este nem foi inscrito entre os 25) e Ediglê pela esquerda?

Não gosto de ser definitivo, mas Rafael Santos não tem ferramentas para estar no grupo do Internacional.

As entrevistas de Giovani Luiggi, ao final dos jogos, começam a me preocupar. O discurso é sempre o mesmo, as leituras não são boas. O mais preocupante é que não temos homens de vestiário (como o foi Carvalho no ano passado) capazes de persuadir Abel Braga a refletir sobre seus equívocos.

Vizinho, aonde é que vai jogar este rapaz paraguaio que vocês contrataram? E vem cá tchê, tu não achas que o Paulo Pelaipe, para quem veio da Segunda Divisão recentemente, está pavão demais?

A propósito, o que mais me chamou a atenção do noticiário sudamericano foi a informação de que o glorioso Cucutá é um clube recém promovido da SEGUNDONA colombiana. Portanto, teremos um grande duelo entre clubes da SEGUNDA DIVISÃO da América lá na azenha. Vai sair faísca!

Já na Padre Cacique, quarta-feira, de reencontro do torcedor Colorado com os Campeões do Mundo! TODOS OS CAMINHOS LEVARÃO AO BEIRA-RIO.

Saudações rubras,
Luiz Portinho - lcportinho@yahoo.com.br


36.000 Pagantes para um Futebol Zero

Eis os números de um jogo em que nada deu certo. A começar pelo blecaute que quase impediu a realização da partida. Eu escrevera logo após as primeiras informações, mas a confirmação do que houve chegou apenas agora, na quinta-feira, 1º. Um sinalizador de fumaça foi deixado embaixo do transformador, gerando calor suficiente para causar uma sobrecarga. Não houve vandalismo.

Apesar disso, nada muda minha opinião sobre confusões envolvendo semoventes acéfalos auto-denominados gremistas (doravante, SAADG; os que se acham colegas do vizinho são SAADC). Essas pessoas não têm a menor capacidade do convívio em sociedade. E, portanto, de associarem qualquer ação sua ao futebol ou à instituição Grêmio. Sou a favor de imposição de medidas de segurança e internação desses babacas até que aprendam - o que eu duvido - a respeitar o mínimo dos direitos alheios...

Mas, desta vez, ao menos, não houve dolo.

Voltando ao que interessa, quem leu a coluna anterior a partida não se surpreendeu com as dificuldades encontradas. O Cúcuta é aquilo que se disse dele e um pouco mais. Além de se defender muito bem - sempre com, no mínimo, sete jogadores atrás da linha da bola (uma linha de quatro atrás e outra de três à frente) - e ter um contra-ataque rápido - o time joga com dois atacantes abertos e um enganche aproximando-se pelo meio -, os colombianos sabem reter e tocar a bola. Foi uma verdadeira aula de futebol. Não duvido que, se quisessem ganhar, tivessem conseguido.

O Grêmio errou do começo ao fim. Primeiro: jamais, nunca, em nenhuma hipótese, pode-se escalar o time da imprensa! Se os jornais são unânimes em relação a escalação ideal, deve-se descartá-la. Na hora! Mas, foi o que o Mano acabou fazendo. E o time não se encontrou. A distância entre os dois volantes e os meias era amazônica. Não sei o motivo, mas Tcheco e C. Eduardo estavam juntos a Douglas e Ramon. O esquema era um verdadeiro 4-2----4! É evidente que o resultado foi a perda do meio-de-campo e o domínio por parte dos cafeteiros.

Além disso, os zagueiros, lentos, tiveram enormes dificuldades para parar os atacantes do Cúcuta. Lucas, D. Souza, Patrício e Lúcio não estavam confortáveis e seguros para o apoio. Os três responsáveis pelo ataque colombiano infernizaram o sexteto sempre que tiveram maior ímpeto.

Isolados, e sem esboçar o menor desejo em recurar para aproximarem-se dos volantes, os quatro da frente pouco ou nada fizeram. O gol, se saísse, seria acidental.

Esse era o quadro no intervalo; mas, para o segundo tempo, não mudou muito.

O esquema era visivelmente falho, mas nosso treinador demorou a mexer. E quando o fez, aos 20 minutos, equivocou-se. Por contusão, entrou Éverton no lugar do Douglas e o time passou a jogar sem centro-avante. Mano levou mais de quinze minutos para perceber o erro e colocar o Aloísio, no lugar de um discreto D. Souza. Eu preferiria a saída do Tcheco, que jogou MUITO ABAIXO da crítica. O único acerto foi a saída do sonolento Ramon e a entrada de Sandro, para jogar de 5! Lucas avançou mais e acabou por perder dois gols que normalmente faria.

Que sirva de lição, pois numa partida dessas está a diferença entre o campeão e os que caem pelo caminho...

Segue o que escrevi ANTES do jogo:

É HOJE!

Hoje, finalmente, o Grêmio reestréia na Copa Libertadores em sua casa, diante da sua torcida. A liderança folgada no Estadual e a vitória fora de casa em Assunção animam ainda mais o torcedor gremista para hoje à noite.

Mas deve-se ter cuidado. O Cúcuta pode não ter a grife de um Nacional ou de um América, mas é o atual campeão colombiano e lidera o campeonato local. O Mano Menezes já avisou dos pontos fortes do adversário, que joga sem centro-avante, mas tem dois atacantes rápidos. Além disso, o contra-ataque é arma preferida deles e o nosso time jogará avançado e, provavelmente, com uma escalação ofensiva. Vale sempre lembrar que em 2.004 um desconhecido clube colombiano jogou fechado, explorando estocadas esporádicas, e levou a Taça para casa. Todo o cuidado será pouco esta noite!

Claro que acredito numa vitória, mas não deverá ser a goleada que muitos esperam e anunciam. Ao contrário da opinião de muitos torcedores, lamento a contusão de Edmílson, pois prenderá Lucas e D. Souza. Poucos se dão conta que o cabeça-de-área protege os dois centrais e libera os volantes para que cheguem à frente. Fazendo às vezes de "terceiro central", os dois laterais podem subir, porque se sentem cobertos. Mano não confirmou a escalação, acredito que deverá ter alguma surpresa para deixar a equipe mais balanceada. Veremos.

Todo o torcedor deve ir ao Olímpico confiante, mas sabedor que uma vitória por um a zero é TUDO o que se precisa.

DÁ-LHE, GRÊMIO!

P.S.: Após o jogo, eu volto contando tudo o que aconteceu! De quebra, comentarei as contratações de Kelly e Gavilán e a partida do time do vizinho contra a equipe da CEEE equatoriana...

P.P.S.: Cuidado, Portinho! Contra os eletricitários não vai adiantar apagar as luzes do estádio!

Assim, ficamos com quatro pontos. Caso o Tolima vença o Cerro, em casa, em 7/3, cairemos para o segundo lugar. Péssimo futebol; péssimo resultado. Espero que o Mano possa aprender com todos os equívocos cometidos.

CONTRATAÇÕES
O Grêmio contratou Gavilán e Kelly. Do Kelly, pouco me lembro. Aguardo ansiosamente sua chegada; principalmente, depois da desatrosa atuação do Tcheco, hoje. De Gavilán, vale a sua versatilidade. Chegou o substituto do Lucas. Mas, antes deve ser utilizado na lateral-direita no lugar do Patrício. Espero!

VIZINHO
Amanhã, o time do vizinho vencerá o time dos eletricitários do Equador, que, em gira pelo Estado, deve fazer ainda um jogo contra o time da CEEE, no campo da PUCRS. O segundo embate promete ser equilibrado...

Saludos de un bi-Libertador de América,
Paulo Roberto Tellechea Sanchotene -
sancho.brasil@gmail.com

2 comentários:

lcportinho disse...

Contrataram um meio campo para jogar na lateral direita então ? bah! chegaste a ver o massacre do COlorado sobre os eletricitários do equador ? eheheeheh... tu deveria ter contratado os caras para arrumaram a geradora lá da azenha!

San Tell d'Euskadi disse...

Porto, eis as respostas!

Gavilán: O Mano descartou a lateral, mas acho que isso será imperativo. Pelo menos, enquanto Lucas estiver aqui.

Massacre: Vi e confesso que o time deles é mais chato do que pensei. Deu um baita trabalho até o Perdigão fazer aquele golaço. Depois, com 1-0, vocês dominaram completamente.

Blecaute: A energia foi reestabelecida graças ao esforço dos atletas do Emelec. Daí o cansaço deles ontem. Trabalharam na madrugada...

Pelaipe: ACHO! E tenho arrepios de pensá-lo como sucessor do Odone!

Um abraço.